Em Literatura

Cartas para a minha mãe | Teresa Cárdenas


Autora: Teresa Cárdenas
Editora: Pallas
112 Páginas
5 estrelas
Sinopse: Uma menina escreve cartas para sua mãe morta. Através delas ficamos sabendo que teve que ir morar com a tia e as primas, que não gostam dela. Não se cansam de lembrar que deveria fazer um esforço para disfarçar sua cor e ficar mais parecida com uma pessoa branca. Sua avó está sempre desgostosa, com ela e com a vida em geral.
Mas a autora das cartas começa lentamente a descobrir um mundo além de seus problemas familiares. À medida que faz amigos — entre outros, um jovem que também tem problemas com a família e uma velha que é ao mesmo tempo jardineira e bruxa — suas feridas começam a cicatrizar. A menina fica cada vez mais forte, consegue ganhar o respeito dos outros e aprende a aceitar-se a si mesma a aos outros.
Este é um romance emocionante sobre perdas irreparáveis e sobre o poder restaurador do amor e do autorespeito. Ambientada em Cuba, a narrativa desafia nossas crenças sobre essa ilha que, afinal, conhecemos tão pouco.
Em Cartas para a Minha Mãe, uma criança (que em nenhum momento descobrimos o nome) escreve cartas para a mãe já falecida, para tentar lidar com a perda e a falta que sente dela, além de quebrar uma espécie de silêncio vindo a partir dessa morte específica. 

Ela começa contando que foi morar com a tia e as primas, que não gostam dela nem um pouco. Fala sobre a relação tão conturbada com a avó, que a maltrata quase o tempo todo e não a presenteia com doces, como faz com as primas; cita a hostilização que sofre pela família por ser negra, ter o nariz achatado e os beiços grossos.  
"Lilita e Niña passam os dias zombando de mim. Eu não ia zombar se a mãe delas tivesse morrido". - Pág.10. 
Em outro momento, ela também cita a mudança de escola, em que a maioria é branca, e como se sente ao, por exemplo, se olhar no espelho.  
"Descobri que meus olhos são parecidos com os seus, que não podiam ser mais bonitos, e que minha boca e meu nariz são normais. Não gosto que digam que os negros têm nariz achatado e beição. Se Deus existe, com certeza está furioso por ouvir tanta gente criticando sua obra. Como acha que eu ficaria com olhos azuis, narizinho fino e a boca feito uma linha? Horrorosa, não é verdade?". - Pág.19. 

O racismo estrutural: o assunto chave da narrativa  


Em diversas cartas que escreve para a mãe, a protagonista, com muita sabedoria e, em alguns momentos, inocência, fala sobre o racismo estrutural, mesmo que não saiba o que isso significa. Ela fala sobre a imagem de Jesus branca, loira e de olhos azuis, quando sabemos que, pela região em que morou e pelo povo com quem convivia, ele não seria assim; fala sobre a fixação da avó pelas filhas e netas casarem com um branco, além de ela se orgulhar por servir a uma casa de pessoas brancas. 

O livro também trata de violência familiar física e psicológica pelos olhos de uma criança. Fala sobre aceitação, crescimento e perdão. É um livro pequeno, mas muito tocante e profundo. Achei bonito demais ver a mescla entre os pensamentos sábios da protagonista e a forma ingênua em que ela fala sobre o assunto com a mãe, mesmo que seja algo simples, como a gravidez e a menstruação. 
"Vovó disse que a partir desse momento, elas têm que manter os olhos bem abertos em cima de mim para eu não acabar grávida. Que história é essa, mamãe? Não acredito que por causa de um pouco de algodão que ponho entre as pernas eu vá acabar grávida. Isso não é assim. Primeiro, tem que casar, comprar uma linda casa e ser feliz. Só depois que a cegonha aparece e a barriga da gente começa a inchar. Qualquer um sabe disso". - Pág. 41/42
Teresa Cárdenas, a autora de Cartas para a Minha Mãe, é cubana. Além disso, o próprio livro se passa em Cuba, o que o torna uma ótima fonte de informação sobre a religião afro-cubana e os representantes delas. Teresa foi ainda vencedora do prêmio Casa das Américas, do prêmio David e do Prêmio Nacional de Crítica Literária. 

Você já leu Cartas para a Minha Mãe ou outro livro da Teresa Cárdenas, como Cachorro Velho? Já estou com expectativas para conhecer essa história! 

Postagens Relacionadas

0 comentários:

Postar um comentário

@bloglivriajando